terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Neve em três capítulos: encantamento, desentendimento e reconcialiação

*ler escutando "One", do U2

Encantamento

No início, eram só flores - apesar de o inverno só deixar os espinhos (agora, literalmente falando). A neve traz uma sensação de limpeza, uma sensação cinematográfica. Ao menos pra mim, que vim de uma cidade quente da muléstia, no Nordeste do Brasil.

Eram quatro e meia da madrugada de um dos últimos dias de novembro quando fui acordado por uma mensagem de celular que dizia: “Saia de casa! Está nevando!”. Ao olhar pela janela, vi o meu quintal branco, os carros brancos, as árvores brancas. Fiquei ali, uns segundos completamente enternecido. Mas isso não me bastava, queria não só ver como sentir aquilo. Ao descer as escadas de casa, outros dois brasileiros estavam saindo do quarto deles pelo mesmo motivo. Num frio de cerca de dois graus Celsius negativos saímos do calor e entramos no freezer, que era o lado de fora, para sentirmos os flocos de neve cairem sobre as nossas cabeças. Parecíamos pinto no lixo, crianças ao abrir dos presentes em noite de Natal. Foi amor à primeira vista: eu e a neve, a neve e eu!

Após esse primeiro instante congelante seguiram-se momentos de contemplamento. Mas centenas de fotos, bonecos de neve e iglus depois... veio o gelo. É que após a nevasca, período de uns dois ou três dias nevando, a neve vira gelo e, esse, faz todo pedaço de chão ficar escorregadio. Toda hora tem um caindo na rua. Eu mesmo caí cinco vezes em um único dia. Mas, calma, eu explico: um dos meus sapatos tem o solado completamente liso – impossível não andar instável com eles. Tudo bem que me senti completamente tabaréu vendo a neve, mas essa não foi a razão das quedas. A culpa foi mesmo dos sapatos.

Essa primeira nevasca que presenciei caiu em Dublin no início do inverno, período absolutamente incomum para tal ocorrência climática na ilha irlandesa. Já a segunda nevasca começou dia 20 de dezembro, um dia antes de minha viagem. Foi aí que me desintendi com ela, a neve.

Horizonte

Revendo meu amor à neve
Passagens de avião e de trem compradas, estava com minhas férias de Natal prontas. Iria para Barcelona e de lá para Toulose me encontrar com alguns primos meus para passarmos o Natal em uma outra cidade no sul da França. Seria uma oportunidade única de estar com eles em um momento como esse em um lugar como aquele. Seria. Não foi. Meus planos foram por neve abaixo.

Passageiros saindo do avião minutos depois de terem entrado.
Com tudo branco, centenas de aeronaves não puderam decolar

A nevasca ficou mais forte justamente no dia 21 de dezembro, quando iria embarcar para a Espanha. Não se enxergava nada no céu a não ser um paredão branco. O saco de algodão foi rasgado e a cidade ficou inundada de neve. Não se sabia mais o que era asfalto, calçada, grama. A neve tinha chegado a quase 20 cm de profundidade. Evitando atrasos, peguei um táxi ao invés de ônibus para ir ao aeroporto. Ao chegar lá, percebi que alguns vôs estavam atrasados. Até então, nada tão anormal. Mas quando vi que voos estavam sendo cancelados, comecei a ficar preocupado. Check in feito, às 13h da tarde fico sabendo que o aeroporto de Dublin havia sido fechado até às 17h em função do mal tempo. Meu voo seria às 13h55. Aguardei até às 15h quando soube que poderia pegar minha mala e voltar para casa porque o meu voo havia sido cancelado. O que isso significava? Que eu poderia escolher um novo voo para Barcelona, em outro momento, ou pegar meu dinheiro de volta. É claro que pensei: “Sem problemas, pego um voo amanhã, 22, e está tudo certo.” Mas o que a Ryanair (companhia aérea encarregada de me transportar pela Europa) me ofereceu foi simplesmente uma passagem para o dia 30 de dezembro. Isso seria quase 2011! E eu deveria voltar a Dublin no dia 29. Ou seja, fiz o pedido de reembolso e procurei em outras companhias aéreas mas nada achei para antes do Natal. Resultado: sem voos disponíveis, fiquei em Dublin. Com neve por todos os lados e sem o Natal programado.

Por constantes vidros embaçados era possível ver os pedestres andando mais rápidos que os carros. Sobre o gelo, 40km/h é ser imprudente

Cair na neve, tudo bem. Me atrasar pra todos os compromissos, tudo bem. Esperar por quatro horas um ônibus, é... tudo bem, até vai. Mas perder meu Natal, não. A neve acabara de criar uma confusão pesada comigo!

Reconciliação
Dia 24 de dezembro, então, decidi passar a ceia natalina com amigos brasileiros e mexicanos. Antes disso, entretanto, fui dar uma volta com um amigo no centro da cidade para fotografar. Não estava nem um pouco afim de contemplar a neve que ainda caia, mas, sim, acompanhar o movimento pré-Natal. E foi aí que a tal reconciliação aconteceu, graças a um milagre de Natal. Não que eu estivesse triste, mas lamentava não estar com meus primos.

Em torno de 100 pessoas presenciaram a cantoria natalina

Estava caminhando na Grafton Street quando uma aglomeração me fez parar. As atenções de cerca de 100 pessoas estavam voltadas para o cantor Glen Hansard (vencedor do Oscar de melhor canção original pelo filme Once, em 2008, no qual também foi protagonista). Ele tocava, claro, canções natalinas com alguns músicos, o que fez daquele momento já bem interessante. Mas incrível mesmo foi quando Bono Vox se juntou a eles. O cantor da banda irlandesa U2 integrou-se ao círculo de músicos e, sob forte alvoroço do público, cantou canções como "So This Is Christmas" e "One". Entoamos juntos essas e algumas outras músicas: Bono, eu e umas 100 pessoas. Ganhei meu Natal! Inesquecível!!!

Bono soltando o gogó

E eu cheguei a pensar que não iria ver uma apresentação do U2 em Dublin antes de voltar ao Brasil. Bom, ainda não vi o tal show, mas uma capela há dois metros de distância, sem microfone ou efeitos especiais, salvou meu Natal. Não lamento mais não ter viajado. Fiz as pazes com os flocos de neve. Enquanto eles caem, vou ouvindo, sem mágoas, U2 no meu iPod.

video
Um dos melhores vídeos gravados do momento que achei no Youtube

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

O sol de Shakira está chegando...

De Dublin, Irlanda

“Loca” na música, “loca” na dança, ela realmente enlouquece o público. Na noite da última quinta-feira, Shakira, a cantora latina de maior visibilidade do mundo pop, da atualidade, levou sua mais nova produção ao palco da Arena O2 da capital irlandesa, Dublin. E se ao lado de fora, a temperatura beirava os zero graus Celsius, o calor interno da casa, lembrava mesmo o do astro rei. Apresentando o disco “Sale el Sol” (“The Sun Comes Out”, na versão em inglês do CD), lançado em outubro, ela provou que seus quadris não mentem ao entoar hits como “Waka Waka” e “Loca”, seu atual single. A seguir, o repertório que a cantora deverá levar a pelo menos três cidades brasileiras no próximo ano.

Do álbum “Pies Descalzos” (1996), Shakira resgata a canção “Pienso em Ti” para abrir seu novo repertório. Ela inicia o show já em contato direto com os fãs andando entre o público em direção a uma passarela, extensão do palco. Ao tirar a camada de roupa que a envolve fazendo-lhe parecer uma rosa, a colombiana, enfim, deixa suas curvas à mostra. E é com “Te Dejo Madrid” e “Whenever, Wherever” que ela começa a esquentar o espetáculo.


Uma parada para um tom romântico se inicia com “Inevitable”, na qual toca violão. “Uma das canções mais especiais que já compus”, confessa. Soltando um clima de paixão ardente no ar, “Despedida” e “Gipsy” são tocadas envoltas por um som acústico fazendo o público delirar com a perfomance à la cigana da cantora com um dos músicos.

“La Tortura” e “Ciega, Sordomuda” fazem os fãs dançarem novamente – guardando, aqui, as devidas proporções de como os europeus reagem timidamente às canções enérgicas. Mas latinos presentes animavam contagiosamente a plateia. E é após esse momento que toques de superprodução começam a tomar o show. O telão de alta resolução se divide ao meio, uma gigante escultura em forma de uma face humana se sobressai e é através dela que os maiores efeitos visuais são projetados. Com a faixa “Sale el Sol” , Shakira sugere que o sol aparece quando menos se pensa, diz a letra da canção.

“Loca”, “She Wolf” e “Ojos Así” são um dos mais quentes blocos do concerto. Mas é no bis, após retornar ao palco, que o ápice acontece com “Hips Don’t Lie” e “Waka Waka”. Antes da canção inspirada na África ser entoada, um vídeo é exibido mostrando crianças do continente dando declarações do que querem para suas vidas. Frases como “quero ser engenheiro”, “quero ir à escola” e simplesmente “quero ser eu mesmo” dão o tom de solidariedade que, afinal, a música propõe ao dizer: “esse é o momento da África”. Ao final do hit, sob chuva de papel picado fluorescente a cantora, então, se despede do público.


“Why Wait”, “Nothing Else Matters” (cover do Metallica), “Underneath Your Clothes”, “Gordita” e “Las de La Intuicion” completam o setlist da turnê, além de “Antes de las Seis” e “Si te vas”, que esporadicamente ficam de fora em algumas apresentações.

Ápice da carreira
Apesar de todas as milimetradas falas e marcações de palco, Shakira consegue dar espontaneidade à sua performance, diferente de cantoras mais engessadas em seus shows como Beyoncé e Rihanna. Aliás, foi seguindo a linha dessas cantoras contemporâneas, que no momento mais pop da carreira, em 2009, Shakira, lançou o “She Wolf”. O disco, inovador em sua linha musical até então, agregou um público diferente à sua carreira, mas afastou os que se identificavam com o som dos álbuns passados. Após experimentar essas batidas, ela voltou a apresentar, embora não completamente, os tons e sotaques que lhe abriram as portas para o mundo: a música latina.

Trazendo consigo os tais raios solares de latinidade, Shakira conseguiu emplacar uma carreira muito bem-sucedida fora do contigente da língua hispânica. Nessa semana, seu álbum completa oito semanas como o mais vendido de música latina e o hit “Loca” lidera o ranking das músicas dance mais tocadas, segundo a Billboard.

Dando continuidade ao que outras já haviam feito (destaque para a cubana Gloria Estefan), a colombiana está embalada pelo recente sucesso de “Waka Waka”, canção oficial da FIFA na última Copa do Mundo. Provavelmente em função disso, seu último disco foi o mais rapidamente produzido de sua carreira. Na turnê atual, ela se apresenta em cerca de 20 países entre América e Europa. Embora as datas para o Brasil ainda não tenham sido confirmadas pelo site oficial da cantora, a imprensa brasileira já divulgou que ela será atração do Pop Music Festival realizado no país em março de 2011. Porto Alegre, dia 13, Brasília dia 16 e São Paulo, dia 19, são as datas até o momento. Um show no Rio de Janeiro está sendo negociado, segundo informações do Portal Ig.


*matéria originalmente publicada em 18.12. 2010 na Tribuna da Bahia
*fotos de Dimas Novais e Cristiano Mota
* texto de Dimas Novais